Senso de humor

Senso de humor não é só um grande “haha que engraçado”. Ele é muito mais abrangente e sutil do que isso.

Senso de humor tem a ver com despojamento, uma visão de mundo livre e particular, que muitas vezes não precisa chegar no riso. Em outras palavras, é o espírito do “por que não”.

Com isso fica mais fácil de entender porque o politicamente correto é um negócio errado do começo ao fim. Ser politicamente correto é, necessariamente, restringir certas possibilidades temáticas. Não é simplesmente o fato de que falar de sexo, bunda e cocô sejam as coisas mais engraçadas do mundo, mas é fundamental, para se ter senso de humor, que exista tal liberdade. Você nunca sabe quando a bunda vai entrar no meio de um discurso, e essa simples tensão do imprevisível é que faz o nosso dia-a-dia mais bem humorado.

O senso de humor pode vir em formas variadas e interessantes. No jazz, muitos músicos são conhecidos pela falta de senso de humor, como é o caso de Miles Davis, mas outros são, senão o humor personificado, uma fonte inesgotável dele.

Temos, por exemplo, Monk, não só em obra como em vida, com seus chapéus amalucados e suas danças exóticas no palco. Por mais perturbado que fosse, é pouco provável que ele não soubesse dos efeitos cômicos das suas atitudes. Prova disso é, claro, sua própria música, sempre colocando os conceitos harmônicos e melódicos de ponta cabeça, com um timing perfeito. E timing, como diria qualquer comediante que se preze, é tudo.

Com Monk tenho a certeza de não estar rindo dele, mas com ele.

Outra personagem bem humorada do mundo do jazz é a anti-diva Carmen Mcrae, que foi se vestindo pior a cada ano que se passava, numa tentativa bem-sucedida de tratar a elegância com um irreverente sarcasmo. Em vários de seus shows derradeiros, Carmen Mcrae subia no palco de moleton.

Nem eu uso moleton!

E de sarcasmo e ironia, pouca gente é tão gabaritada quanto ela. O desafinar constante, a interpretação única das letras, tudo isso é um pouco de Carmen Mcrae, uma mulher com uma técnica comparável ao de uma Ella Fitzgerald, mas que sabia jogar tudo isso no lixo, em nome de algo a mais. Nesse sentido, Carmen Mcrae é um exemplo perfeito do que significa a palavra desapego.

Afinal, o que dizer de uma pessoa que sabe dispensar aquilo mesmo que a faz diferente dos reles mortais?

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: