Um Espetáculo de Bom Gosto

01/03/2010

Agora nossos co-cidadãos paulistanos não precisam mais se lamentarem por não terem um Champs-Elysées perto de casa nem vista direta para o Central Park (contentem-se, infelizmente, com o Ibirapuera e seu Empurra-Empurra).

Depois de Miss Saygon, A Bela e a Fera, A Noviça Rebelde, as periódicas apresentações do Cirque du Soleil e os show bienais do Iron Maiden, eis que nessa quinta-feira estréia a versão brasileira (e em português!) do musical Cats, obra há mais tempo em cartaz nos palcos da Broadway e já traduzida em diversos países (e em diversas línguas!). O musical é uma adaptação de um livro do poeta T.S. Elliot pelos músicos Andrew Lloyd Webber (do inesquecível O Fantasma da Ópera) e Tim Rice (letrista de O Rei Leão e do indefectível Evita). Continue lendo »

Anúncios

Cléber Machado e o método auto-socrático

29/10/2009

A arte de narrar

“Vai ter música de vitória? A Ferrari não vai atrapalhar o nosso domingo?”

– Cléber Machado

Isso é Cléber Machado, o inventor do método auto-socrático. Trata-se de se colocar no lugar do outro e fazer a pergunta e dar a resposta para chegar a uma conclusão (que às vezes só o próprio Cléber Machado sabe qual é).

Com ele, não basta apenas narrar uma corrida ou um jogo de futebol. É preciso também entender o outro lado, dar voz ao outro. Cléber Machado fala como o que o povo gostaria de falar, fica se perguntando durante toda a narração como se uma vozinha estivesse em seu ouvido dizendo “o povo tá pensando isso, Cléber” e ele pergunta sozinho para ele mesmo dar a resposta. Algumas vezes ele pede ajuda para o time de comentaristas., mas a auto-suficiência é a marca registrada de seu método. Com Cléber no comando da transmissão, a “pergunta do internauta” durante as partidas se tornam obsoletas. O método clebermachadiano de transmissão é mais eficiente e econômico.

Por isso, vamos relembrar alguns momentos de Cléber Machado, o Ciro Bottini das transmissões esportivas: Continue lendo »


Dedos cruzados! Rio 2016

02/10/2009

Ai, que preguiça dessa história de Olimpíadas e Copa no Brasil… Vai ser legal? Vai. Lógico. Eu vou tentar ir nos jogos e tals. Mas, cá entre nós, precisa?

Ó os engravatados. Que felizes!

Ó os engravatados. Que felizes!

Continue lendo »


O Time Que Não Quer Ganhar

29/09/2009

Corre, senão não ganha!

Corre, senão não ganha!

Há oito meses atrás, ele era o favorito. Há seis meses também, há dois também. Mas ele não ganha. É o Internacional de Porto Alegre, o “favorito do ano”.

Por que o Inter? Primeiro, porque se reforçou pra ano de seu centenário; segundo porque manteve a base do time do ano passado campeão da Copa Sul-Americana (tudo bem que não é lá uma COPA, mas… vá lá); terceiro, mostrou o futebol mais vistoso do primeiro semestre. Continue lendo »


O Desarme

17/09/2009
desarme

Pierre, o "ladrão" do Palmeiras

Num futebol com forte preparo físico e muita disciplina tática como o de hoje, um fundamento ganha vital importância para a decisão dos jogos: o desarme.

O desarme é a famosa “roubada de bola” e consiste em tirar a bola do jogador adversário, mas não apenas isso: é necessário sair com a bola do dominada, senão temos apenas uma “tirada de bola”. Portanto, o desarme é a jogada em que se inverte o mando da pelota; quem defendia agora tem a bola nos pés para partir ao ataque.

São dois os tipos de desarmes: i. quando o jogador atacante tem pleno domínio da bola e tenta progredir com a jogada, porém, durante a progressão, o marcador tira a bola; ii. o defensor rouba a bola no momento em que o atacante domina a bola, mas logo antes deste tentar qualquer progressão. O segundo tipo pega o adversário com as calças na mão e, em geral, é mais surpreendente, favorecendo a armação de um contra-ataque.

É aí que reside a importância atual do desarme. Quando se enfrenta um time sólido do meio para trás como o Chelsea, por exemplo, o time tem três alternativas: tenta a penetração pelo toque de bola, arrisca chutes de longa distância ou pega o adversário no contra-ataque, desarmando-o na intermediária. A primeira alternativa, em geral, é a mais difícil, mesmo para bons times de toque refinado, como o Barcelona, que teve muitas dificuldades para vencer o Chelsea na semifinal da Champions League do último ano. Só venceu quando, no desespero, arriscou chutes de fora da área. Continue lendo »


Raul, o Crítico

01/09/2009
Raul

Tudo bem que você é o "pensador", mas precisa fazer esse biquinho? LOL!

Aí moçada.

Meu amigo Raul publicou umas críticas no site do Cinequanon, sobre um festival que rolou por aí (“20º Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo”).

Pô, mó orgulho desse cara! Conheci o Raul, ele não tinha nem pêlo no suvaco!

Ow, só não vai ficar chato agora hein!

Abraço Federal.


Errei!

31/08/2009

image

São Paulo e Palmeiras: o jogo do an… NOT!

São Paulo e Palmeiras foi um puta jogo chato. Ninguém fez nada. Curtiram o 0 a 0 e quem pagou o pato foi o torcedor

Continue lendo »